Entrevista a Igor Silveira “Receber uma convocação para representar o meu país no campeonato mundial foi incrível”

Hoje falamos com o Igor Silveira, que é formado em Educação Física e especialista em treino desportivo, no Brasil. Trabalha com o maior clube desportivo de Natação da América Latina.

AD: Desde que idade te apercebeste que seguir Desporto seria o teu futuro?
IV: Desde muito jovem, pois cresci cercado de referências. Minha mãe é professora de educação física, meu pai foi técnico de futebol a vida inteira e meu padrasto foi atleta de atletismo e participou da Olimpíada de Los Angeles de 1984.

AD: Sempre foste apologista de praticar desporto?

IV: Sempre gostei muito de esportes no geral. Pratiquei futebol, handebol, judô e atletismo. Aos poucos fui percebendo através das minhas referências na família e na condução natural de estudos que a educação física seria um caminho que eu trilharia.

AD: Fizeste uma Certificação Internacional em Treino de alto rendimento em Moscovo, na Rússia. Como classificas esta experiência quer a nível pessoal, quer profissional?


IV: Sem dúvida esse curso foi um divisor de águas para a minha carreira. Acumulei experiências  em um país que fez parte da minha base de estudos na área de treinamento desportivo. Conheci e tive aula com professores da maior escola de esportes do mundo e pude perceber que realmente eu queria trabalhar com esportes e seguir estudando e me preparando cada dia mais para quem sabe um dia poder trabalhar como preparador físico.


AD: Estás há sete anos a trabalhar com a equipa sénior de Natação do clube Pinheiros, o maior clube desportivo da América Latina. Para um jovem podes dizer que é um ‘sonho’ fazer parte deste clube?


IV: Sem dúvida! Desde que iniciei a minha especialização na área de treinamento desportivo, o meu sonho era poder trabalhar com esporte, e receber uma proposta para trabalhar no maior clube da América Latina foi algo que me trouxe muita satisfação e ainda trás. Em minha trajetória que iniciou em 2013,  trabalhei com todas as categorias da natação e com outras modalidades também. Hoje sou responsável pela preparação física de duas equipes sênior de natação do clube, que é conhecido aqui no Brasil como o clube mais olímpico do país. Poder atuar em um lugar como esse e com atletas de altíssimo nível me faz ter um sentimento de muito orgulho e realização na minha carreira.


AD: Este ano foste convocado pela Seleção Brasileira de Natação para participar em várias ações na Europa e na Ásia. Podes falar um pouco mais sobre qual o trabalho que vais realizar nestas ações?


IV: Realizamos uma preparação específica com o revezamento 4×100 livre do Brasil. Inicialmente nosso objetivo foi desenvolver capacidades como força e potência e aperfeiçoar aspectos técnicos de saída, virada e troca de revezamento. Depois desse período de preparação, tivemos competições na França, Itália e Espanha que serviram de base para ajustes na preparação com o objetivo no Campeonato Mundial.

AD: Campeonato Mundial de Desportos Aquáticos, realizado na Coreia do Sul é um dos projetos ‘auge’ da carreira de qualquer desportista ou treinador. O que significa para ti esta competição?

IV: Esse foi um outro momento muito especial na minha carreira. Receber uma convocação para representar o meu país em um campeonato mundial foi algo incrível. Espero continuar trabalhando cada dia mais e estudando muito para melhorar a performance dos nossos atletas.


AD: Pensas numa carreira na Europa ou em continuar no Brasil?

IV: Com o adiamento dos jogos olímpicos, meus planos estão relacionados com a preparação dos atletas para chegarem bem no ano que vem, mas sem dúvida, poder seguir uma carreira na Europa é algo que penso bastante e espero um dia poder ter essa oportunidade. 


AD:Consideras que no Brasil o desporto é bastante apoiado ?


IV: Infelizmente não. Nosso país não pensa no esporte como algo que pode transformar a vida dos nossos jovens. Não  existe uma condição digna para que um jovem possa se desenvolver em um determinado esporte e conciliar com os estudos. O governo não direciona um incentivo para a formação de jovens nas escolas e isso dificulta a fomentação do esporte e sobrecarrega clubes e outras instituições que incentivam o esporte em alto nível

AD: Qual é o maior objetivo que pretendes atingir na tua carreira?


IV: Meu maior objetivo na carreira é conquistar uma medalha olímpica. Já tive a oportunidade de trabalhar com atletas medalhistas em campeonatos europeus e mundiais, agora falta uma medalha na olimpíada. Em 2016 na olimpíada do Rio de Janeiro tivemos um atleta que alcançou a quinta posição. Quem sabe agora em Tóquio não chegamos nessa medalha? Estamos e vamos trabalhar muito para isso!